Inscrição deixada pelo rei Nabonido na Arábia Saudita - Divulgação/Saudi Press Agency

Rei Nabonido foi o último a governar a Babilônia, enorme império que, durante o seu auge, se estendeu pelos territórios que iam do Golfo Pérsico até o Mar Mediterrâneo. Durante grande parte de seu reinado, o rei viveu na Arábia Saudita, o que até hoje não tem uma explicação clara para especialistas. Vale dizer que nesse período fora, Belsazar, filho de Nabonido, governou em sua ausência.

Como diz o portal LiveScience, há historiadores que destacam as divergências entre Nabonido e os sacerdotes e oficiais da Babilônia para esclarecer a longa estadia do governante na região que viria a ficar conhecida como o país do Oriente Médio. Ele reinou a civilização entre 556 e 539 a.C., antes de perdê-la para Ciro da Pérsia.


O rei Nabonido representado em uma estela de Haran / Crédito: Klaus-Peter Simon via Wikimedia Commons

Ainda sendo um mistério histórico que ainda não foi desvendado, a Arábia Saudita possibilitou uma série de descobertas arqueológicas relacionadas ao governo do último rei da Babilônia nos últimos séculos. Uma delas foi, inclusive, feita no último mês, anunciada pela Comissão Saudita para Turismo e Patrimônio Nacional no dia 13 de julho.

Pesquisadores descobriram uma inscrição de 2.550 anos deixada em nome do rei Nabonido. E o impressionante foi que o achado surpreendeu a comunidade científica e foi repercutido ao redor do mundo, especialmente pela possibilidade de trazer novas informações sobre aquele período.

A inscrição do último rei

A região de Al Hait, no norte da Arábia Saudita, é muito conhecida por guardar uma série de locais antigos, entre muitos que remontam ao período que Nabonido reinava na Babilônia. Já foram encontradas instalações de água, artes rupestres, restos de fortalezas, obeliscos, inscrições e muitos outros vestígios históricos. 

O local era conhecido no passado como Fadak e possui registros arqueológicos de períodos distintos, que vão desde o primeiro milênio a.C. até o começo da era islâmica, como relatou o portal SmithSonian. Hoje, a região fica na cidade de Hail e tem grande importância, segundo os especialistas informaram pelo Twitter.



A descoberta mais recente foi feita em uma pedra de basalto no mesmo sítio arqueológico. Segundo o Ministério da Cultura da Arábia Saudita, se trata da inscrição cuneiforme mais longa já encontrada no país até agora, com 26 linhas de texto que foram assinadas em nome do rei Nabonido.

Além da extensa passagem, a pedra também mostra algumas gravuras no topo que apresentam o próprio governante babilônico segurando um cetro e outras figuras interessantes, que ainda estão sendo examinadas por uma equipe de especialistas. A descoberta foi feita recentemente, então as conclusões ainda são poucas.

Os arqueólogos destacam uma cobra, o sol, uma flor e a representação de uma lua crescente que foram cravadas no local há pelo menos 2.550 anos. Acredita-se que as gravuras tenham algum significado religioso e que estejam relacionadas ao reinado do último governante da Babilônia, possivelmente dando detalhes sobre o período histórico.

Como ressalta o jornal britânico Daily Mail, alguns cientistas falam da possibilidade das imagens estarem ligadas às divindades do panteão mesopotâmico, como a estrela de Ishtar, o disco alado do deus sol Shamash e o crescente da divindade lunar Sin. 


Siga o MundialGeek nas redes sociais e não fique por fora dessa e mais notícias do mundo histórico.

Deixe o seu comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem