Difícil pensar no que é o Inferno,  no significado da condenação eterna.  Cada um parece entender o Inferno a sua maneira,  isso diz muito respeito a nossos demônios internos. Assim como temos um anjo da guarda,  teríamos um demônio a guarda?! Um Inferno próprio?! Esclareço aqui desde o início que termos um demônio próprio,  interno não tem nada a ver com a condenação ao Inferno punitivo o qual trato nas próximas linhas.  Acabei de pensar em demônios internos e isso merece sua própria abordagem.  Trago aqui um ensaio sobre o Inferno da condenação,  punição no filme Os Outros,  a partir do crime cometido pela Grace. Ela sofre o enredo inteiro presa em sua própria dor,  aguardando um marido que nunca volta da guerra, encontrando-se abandonada com seus dois filhos Anne e Nicolas.

Confira também a nossa análise anterior, em
E se você gostou desse filme, confira uma lista de

Esse Inferno traduzido no filme Os Outros já foi retratado em outras produções como Lúcifer e até em um terror/científico, O Enigma do Horizonte(1999), já escrevi aqui sobre esse tema nestes filmes,  mas sempre vem um novo ponto sobre esse assunto.  Difícil pensar em passar a eternidade revivendo seu pior dia,  sua pior história e sem nenhum amparo. A falta de conhecimento sobre uma determinada situação já é infernal.  Quando entendemos o porquê de estarmos em uma situação,  o peso já parece diminuir muito.  O Espiritismo é uma religião a qual busca explicar os nossos dias hoje e isso parece muito reconfortante.  Você já observou o quão melhor é entender o que está acontecendo?! Já observou que tudo se justifica?! Se torna compreensível?! De repente conseguimos lhe dar com as situação que possuem explicações. 

Ali Grace sofre sem entender o rumo com o qual tinha dado a sua vida,  como havia se condenado.  Seria possível acreditar em uma redenção quando se entende o mal causado?! Grace e seus filhos se tornaram fantasmas,  os medos eram deles próprios.  De repente,  você é seu próprio mal.  Desistir de viver ali somente trouxe o pior dia a ser vivido repetidamente.  Incansavelmente uma mãe precisa aceitar o fim o qual deu aos seus filhos.  Como saber se não estamos vivendo um inferno por escolha?! Em vida talvez desapegar do rancor,  deixar as mágoas seja  a libertação de grande sofrimento. Sabemos os caminhos os quais levam a condenação,  dificil é saber como sair de lá.  

Penso que um loop,  seja ele qual for é um Inferno em si mesmo.  Todos nós desejamos pelo novo,  acredito que a vida em si seja essa capacidade de renovação diária.  O que fizemos na vida não significa que é realmente o que somos.  Toda e qualquer situação possui mais de um ângulo,  depende muito do que tentamos alcançar.  

O Inferno em Os Outros é essa falta de possibilidade de renovação,  assim como em algumas outras produções,  o Inferno é o passado, essa prisão mental,  espiritual a qual nos condena sem precedentes, nossa própria consciência é juiz de nós mesmos.  Não se esqueça de se renovar. Livre-se todos os dias do dia de ontem.  Aquilo que lhe atormenta não é o que você é,  mas o que você teme em ser. 

Diante de problemas os quais encaramos pensamos em Inferno,  deixar de retratar um determinado sofrimento internalizado pode ser a saída para muitas situações.  Às vezes,  parece que criamos nosso próprio Inferno,  não?! A sensação é conhecida.

Deixe o seu comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem