Viemos aqui dividir com vocês, uma análise sobre aspectos humanos sobre a história do filme Midsommar, aspectos emocionais a qual atrai todo o terror, dá todo o contorno para o assombro se desenvolver. Pontos sentidos da própria história como a questão religiosa e o drama vivido por Danny, causando identificação com qualquer pessoa que já tenha sofrido pela displicência do outro ao levar sua vida e acaba atrapalhando a nossa.
 
Não é tratado tanto sobre a seita em si mesma, mas nos rituais da comunidade a qual a serve e os sacrifícios exigidos. assim como o filme se passa a luz do dia e todos os acontecimentos parecem claros, assim é colocada a seita. Eles apresentam tudo o que é feito como costumes, mas quem leva amigos para serem sacrificados?! ou quem se joga de um abismo após completar 74 anos?! É difícil falar sobre tradições, porém, sabemos que muitas vezes o que se é pregado nem sempre é coerente. o mais espantoso é como eles, os "visitantes", se mantêm isolados naquele sítio após terem assistido ao tão receptivo suicídio de idosos. indo além, como conseguem cativar o coração de alguém, querendo fazer parte dessa "grande família"?! É assustador o poder de persuasão religioso. Mais questionamentos do que respostas aqui. Rsrsrs. 


Estamos apenas observando esse assombroso mundo que, por mais que consideremos cinematográfico, parece muito com a realidade. Sabemos de culturas que possuem ritos assustadores. Midsommar, parece horripilantemente representativo, nesse aspecto. deixando claro aqui, todos eles cometeram pecados diante olhos dos adoradores da seita, menos a personagem principal. isso faz dela mocinha ou vilã?! Solidão, as pessoas solitárias procuram se encaixar, isso parece bem representado em Midsommar. Danny é uma moça carente e cheia de problemas familiares, embora seu namorado Christian se mostre dedicado, ele não é sincero e procura um meio já há muito tempo para finalizar essa situação, enquanto isso, atribui a ela a seu fracasso para as pesquisas acadêmicas. É sempre muito triste quando percebemos o outro se afastar e não conseguimos aceitar e até finalizarmos antes que tudo se perca, porém é válido ressaltar que não estamos de posse dos pensamentos do outro, portanto não sabemos exatamente o ponto a ser resolvido e se é possível ser resolvido. O outro precisa tomar atitudes e nos colocar a par de seus questionamentos sobre a relação. Não parece justo esperar pelo pior momento da vida do outro para impor suas insatisfações ou agir de forma desrespeitosa dentro de um relacionamento construído com dedicação até então. parece que a sinceridade sobre nossos sentimentos é o que faz a diferença.


Depois de uma tragédia sofrida por Danny, Cristian parece um tanto indiferente ao seu sofrimento, ele conta com público para aplaudir suas atitudes covardes. Seus amigos. Pelle, é quem convida Dany a mergulhar na comunidade Midsommar, a qual cresceu, ele também é órfão e entende o seu sentimento de desamparo , a comunidade a faz sentir acolhida como uma família. Talvez fosse esse o papel que ela esperava ser interpretado pelo seu namorado, principalmente diante de suas perdas recentes. É justo não falarmos sobre nossas reais intenções e deixar seguir até que surjam outras situações que podem ou não complicar ainda mais os nossos projetos?! A covardia também tem seu preço e Midsommar vem a tratar sobre atitudes diante da vida, ainda que extremas, de formas extremas.

De forma aterrorizante, eles abordam sobre sacrifícios em nome da família, ainda que seja sacrificando aos outros, mas há também seus próprios sacrifícios, suicídios. Sentir-se em família é o que prevalece e a confiança estabelecida entre os seus, o que é sentido por um, é sentido por todos. ali, a dor de um é a dor de todos. os pactos que vamos estabelecendo com as pessoas em torno devem ser legitimados. as pessoas precisam se responsabilizar pelo o que cativam. Ali nada mais é do que pagar pelos seus atos, levado de forma intensa, dentro de um quadro de filme de terror. Mas analisamos aqui o que "ser pela metade", não assumir o que realmente quer, pode causar na vida do outro e na nossa. Parece cruel o final de Midsommar?!


As pessoas vivem da forma que são em todos os âmbitos da sua vida, não importando tanto de quem se trata. Cristian também copia o tema abordado por seu amigo para seu doutorado. Atitudes inescrupulosas nem sempre estão dentro de um relacionamento específico, diz respeito ao indivíduo responsável por tais ações, pois estas são relativas a seu caráter. Infelizmente há pessoas que não sabem ser sinceras nem consigo mesmas. Ali no final, parece a Dany finalmente se libertando de tudo o que lembra a sua vida anterior, ela deixa a moça sozinha e carente pra traz pra viver agora em família.
O maior recado deixado foi a competência da Danny, canalizando sua energia da forma certa, até então considerada muito frágil e dependente, ela supera os obstáculos que vão surgindo, passando pelas situações desde que se sentiu amada, ela se sentindo em família chegou a ser coroada Rainha de Maio e retoma assim sua independência emocional. Talvez a seita tenha a libertado verdadeiramente. E sempre pagamos pelas nossas ações, nem todos perdoam atos irresponsáveis.


Divida conosco a sua opinião. Deixe nos comentários o que pensa sobre o aspecto humano em Midsommar.

Deixe o seu comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem